[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

domingo, 29 de julho de 2018

[1852.] LIVRELCO [I]

* LIVRELCO || COOPERATIVA UNIVERSITÁRIA DE LIVREIROS *

Quando funcionava já na Rua José Carlos dos Santos, arruamento perpendicular à Rua de Entrecampos.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

[1849.] ANTÓNIO BORGES COELHO [IV]

ENTREVISTA DE ANTÓNIO BORGES COELHO À "ESCOLA INFORMAÇÃO" || SINDICATO DOS PROFESSORES DA GRANDE LISBOA || 283 || JUNHO-JULHO DE 2018 *





[Escola Informação || N.º 283 || Junho-Julho de 2018]

sexta-feira, 20 de julho de 2018

[1846.] GAZETA LITERÁRIA [I] || INVERNO 2017

* GAZETA LITERÁRIA || 01 - INVERNO 2017 || ASSOCIAÇÃO DOS JORNALISTAS E HOMENS DE LETRAS DO PORTO *

Quarenta e oito anos depois, a Gazeta Literária, órgão oficial da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, está de volta, iniciando-se a 5.ª Série com um número integralmente dedicado a Óscar Lopes, "uma espécie de estudante vitalício", como escreve Francisco Duarte Mangas em "A Memória e o Porvir".

Nos cem anos de Óscar Lopes, "é evocado por antigos alunos, por amigos, por companheiros universitários, por camaradas de partido, por poetas, por leitores da sua obra" e "Pelo filho, Sérgio Lopes", publicando-se, ainda, "vários documentos inéditos, como as suas leituras anotadas a lápis de poemas de António Ramos Rosa, Carlos de Oliveira, Eugénio de Andrade, Herberto Helder e Sophia de Mello Breyner Andresen" [Francisco Duarte Mangas].






[Gazeta Literária || N.º 1 || Inverno 2017 || Edição: Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto || Director e Editor: Francisco Duarte Mangas]

[1845.] SÓNIA TELES E SILVA [I]

* SÓNIA TELES E SILVA || DESENHO

PORTO || JARDINS DA CORDOARIA


quinta-feira, 19 de julho de 2018

[1844.] CARLOS LUÍS CORREIA MATOSO [III]

* CARLOS LUÍS CORREIA MATOSO || O EXÍLIO NO BRASIL [PARTE II] *

[Carlos Luís Correia Matoso e Raimunda Mirtes || Maio de 1949 || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

"A PARTIDA"

"Esse é um capítulo a parte. Na época sua filha estava com 7 anos, e no dia 3 de março de 1959, Carlos Luis saiu de casa como um dia comum de trabalho, só que o destino seria outro. Hotel Quitandinha, Petrópolis. Alguns detalhes não são bem claros, como por exemplo, se ele deu entrada como hospede ou simplesmente se dirigiu a alguma galeria e praticou seu desfecho. Na época, no seu auge, o Quitandinha chegou a empregar 1.500 pessoas. Foi neste cenário que durante um curto período de esplendor, o hotel teve grandes personalidades brasileiras e internacionais desfilando por suas dependências... Políticos como Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, João Goulart... Entre os Artistas contratados para os shows em sua Boate, estiveram ali: Carmen Miranda, Grande Otelo, Oscarito, Emilinha Borba, Marlene, a vedete Virgínia Lane e outros ídolos do rádio como Orlando Silva, Carlos Galhardo, Cauby Peixoto, Mário Reis e Nelson Gonçalves. O elenco da Atlântida, produtora que realizou ali várias filmagens, também costumava aparecer: Oscarito, Cyl Farney, Anselmo Duarte, Dick Farney, Eliana Macedo, Adelaide Chiozzo, José Lewgoy, Ankito e Zezé Macedo estavam entre eles."

[Hotel Quitandinha, local onde Carlos Matoso teve seus últimos momentos em vida]

"A VIDA CONTINUA"

"Raimunda Mirtes e sua filha ainda moraram no Rio de Janeiro até o meio do ano, quando então regressaram para Fortaleza para Maria Tereza terminar seus estudos perto da família de sua mãe. Carlos Luís foi sepultado em Petrópolis mesmo.

Para Maria Tereza, sobrou um rascunho de umas vidas que poderiam ter sido preenchidas páginas com muitos momentos inesquecíveis ao lado de seu pai. Pouco ela sabia sobre sua vida passada. Aos 18 anos ela tomou conhecimento de que ele havia tirado a própria vida, onde até aquele momento, achava que seu pai havia tido um ataque fulminante e não teria resistido. Uma carta foi deixada por ele e nela continha seu desejo de nunca revelar para a filha seu real desfecho. Mas Maria Teresa aos poucos foi percebendo que ali havia muito mais do que um ataque cardíaco."

[Maria Tereza ao lado de sua mãe Raimunda Mirtes em visita ao túmulo de seu pai, em Petrópolis || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

"RELATOS DE UMA VIDA"

[Carlos Matoso, Agosto de 1932 || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues] 

"Alguns relatos de sua vida passada foram contados por sua mãe, repetindo as palavras de Carlos Luís, como por exemplo, a existência de uma irmã chamada Helena. A única notícia que se tinha dela era que a mesma vivia na Rússia, mas nada além disso. Maria Tereza não sabia nem o nome da mãe de Helena, até o dia que mantive contato com você. Carolina Loff só foi mencionada poucas vezes para Raimunda Mirtes, mas sem nunca ser pronunciado seu nome. [...] Sabe-se que Carlos Luís tinha conhecimento da filha, a qual a procurou por incansáveis 15 anos pós sua saída da cadeia, mas só o que lhe era revelado seria que a mesma havia morrido. Mesmo assim continuou a procura-la com a ajuda do seu irmão, o qual aproveitando sua influência da época, por seu prestígio de ser casado com uma Pinto Souto Maior e abertura na marinha Portuguesa. Mesmo com todos esses benefícios, não foi conseguido pista alguma da filha. Hoje, sabendo um pouco mais sobre Carolina Loff, podemos deduzir as dificuldades de uma época de guerra e as constantes mudanças de locais de Carolina e as tentativas de proteger inclusive a filha dos perigos em que se mantinha com suas ações, era praticamente impossível saber qualquer coisa sobre ambas, inclusive pelas constantes mudanças de nomes da própria Carolina. Tudo que Carlos queria era a filha, a qual inclusive foi registrada como Matoso.

"LEMBRANÇAS"

"Após esse tempo, já no Brasil e o nascimento de Maria Tereza, Carlos Luís recebeu uma carta com a foto da filha Helena e um pedido para que ele ficasse com a garota, que na época tinha 15 anos. Carlos Luís surpreso e com muita mágoa, pois para ele lhe foi escondida todos esses anos, não deu importância à carta e que ali seguiria sua vida.

[Modelo Mercury semelhante ao que tinha Carlos Luís na época]

"Helena veio a aparecer após a morte do pai, através de procuração, reivindicando sua parte em herança. Por conta disso e da burocracia da época, o inventário de Carlos Luís Matoso só veio a sair 9 anos depois. Pouca coisa ele tinha em vida. Um carro importado "Mercury"e algumas ações. O imóvel em Ipanema na época era alugado. Nada mais além disso. As duas irmãs nunca se viram. Ela acha que a diferença de idade entre as duas é de 15 anos, mas não com toda certeza. Mas um fato curioso: ambas já estiveram na rua da Vila do Bispo, a qual foi nomeada de Rua Carlos Luís Correia Matoso. Mesmo lugar em momentos diferentes."

[Rua Carlos Luís Correia Matoso - Vila do Bispo]

"Bom, o certo é que Carlos Luís tinha muito para lamentar. Ele sempre demonstrou uma mágoa tremenda com seus pais nativos. Lutava por um Portugal mais justo e igualitário, mas trouxe muitas cicatrizes no corpo e na alma. Mas agora, depois dos relatos que me enviaste, sentimos um pouco de sua dor. O fato que mostrou quando no regresso de Carlos Luís a Portugal, ele foi preso pela policia federal assim que desembarcou, sua filha Maria Teresa estava com ele. No momento com 5 anos e iria completar 6 anos, e que, por incrível que pareça, ela se lembra com detalhes do momento. Aquela cena marcou para sempre. Foi também na frente de sua mãe Lia (Elisa). Essa responsável pelas inúmeras transferências de cadeia que Carlos Luís teve em sua vida carcerária. Como ele era preso incomunicável, a mãe não parava de procurá-lo e todas as vezes que o achava o transferiam, até à ida para o Tarrafal. Não tem como a pessoa sair a mesma depois de passar por tudo isso. Isso é certo."

[Foto com a família de seu irmão José Francisco em visita a Portugal com esposa e filha || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues] 

[Momento em que foi festejada sua chegada a Portugal ao lado de sua mãe e esposa, horas após ser solto de uma prisão logo que desembarcou || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

"HERANÇA"

[Roberto Haroldo Sampaio e Maria Teresa || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

"Maria Tereza se casou com Roberto Haroldo Sampaio, médico anestesista, homem muito bom e íntegro, o qual tenho certeza que Carlos Luís teria orgulho em conhecer. Tiveram três filhos: Juliano, Carlos Eugênio e Rafaela Matoso. Hoje todos casados e com filhos. Juliano é o que mais se parece fisicamente com Carlos Luís. Bisnetos de Carlos Luís são 5: luri (18 anos) e Ian (14 anos), filhos de Carlos Eugênio; Maria Júlia (6 anos), filha de Juliano; Benjamin (6 anos) e Maria Tereza ( 1 ano e 7 meses), filhos de Rafaela Matoso, essa minha esposa. Eu me chamo Rodney de Castro e estou na família há 18 anos (9 de casado) e sempre me interessei pela história de Carlos Luís. Em Portugal, mesmo na família de José Francisco, irmão de Carlos, a qual temos contato, não se fala muito sobre a história."

[Eu, minha esposa Rafaela e nossos filhos Benjamin e Maria Teresa || Fotografia de Rodney de Castro Rodrigues]

"Me restou procurar em fontes e saber um pouco mais através da internet. Não posso dizer que sua vida no Brasil foi feita com grandes êxitos. Acredito que ele deveria ter se dado uma chance a mais, mas não sabemos o quanto eram fundas suas feridas. O certo é que ele deixou uma filha maravilhosa e que construiu uma família incrível e que tenho orgulho de fazer parte. Tenho certeza que Carlos Luís estaria feliz em ver o caminho que cada um deles trilhou, carregando no sangue a integridade, inteligência e honra no qual sabemos que ele foi."

Rodney de Castro Rodrigues, 14 de julho de 2018

"MEMÓRIAS"

 [Carlos Luís Matoso]

[Sr. José Matoso, pai de Carlos Luís]

 [Carlos Luís, Raimunda Mirtes e M. Tereza]

 [Carlos Luís, Raimunda Mirtes e M. Tereza]

[Batisado de Maria Tereza]

[Carlos Luís com M. Tereza no colo]

[Sr. José Matoso]

 [Sra. Elisa Correia]

[Sr. José Matoso e Sra. Elisa Correia]

[Fotografias da Família, cedidas por Rodney de Castro Rodrigues e enviadas em 14 de Julho de 2018]

NOTA: O meu reiterado obrigado a Maria Tereza Matoso Sampaio, a Rafaela Matoso e a Rodney de Castro Rodrigues por este comovente Tributo à Memória de Carlos Luís Correia Matoso.

[João Esteves]

[1843.] CARLOS LUÍS CORREIA MATOSO [II]

* CARLOS LUÍS CORREIA MATOSO || O EXÍLIO NO BRASIL [PARTE I] *

Carlos Matoso foi um importante militante comunista na década de 30. Preso em 11 de Maio de 1938, foi deportado para o Campo de Concentração do Tarrafal, onde sofreu inenarráveis violências.

Regressado a Portugal em Janeiro de 1946, exilou-se no Brasil, onde constituiu família e acabaria por se suicidar em 3 de Março de 1959.

[Carlos Matoso || Fotografia do Passaporte cedida por Rodney de Castro Rodrigues] 

Os tempos de exílio deste "homem honrado" [Armindo Rodrigues] são aqui evocados através de sua filha Maria Tereza Matoso Sampaio, mediante recolha do genro Rodney de Castro Rodrigues, a quem muito se agradece o generoso empenho na disponibilização de informações, documentos e fotografias de Carlos Luís Correia Matoso para que a sua Memória seja preservada. Pelos seus, que não o esquecem, e pelo País que tarda em reconhecer aqueles que combateram a Ditadura e viram, em muitos casos, as suas vidas aniquiladas para sempre.

 
[Carlos Matoso aos 4 e sete anos de idade || Fotografias da Família, cedidas por Rodney de Castro Rodrigues] 

"Quem narra todos os fatos para mim é a filha Maria Tereza Matoso Sampaio, filha a qual Carlos Luis teve com Raimunda Mirtes Soares aqui no Brasil quando veio em exílio. As memórias são de uma garota que viveu com seu pai até seus 7 (hoje com 66 anos) antes de sua partida inesperada (suicídio) e dos poucos relatos de sua mãe, a qual pouco comentava para não trazer à tona mais tristeza" [Rodney de Castro Rodrigues, 14 de Julho de 2018].

"VINDA AO BRASIL"

"Acredita-se que Sr. Carlos Luís Matoso veio ao Brasil logo após sua saída do Campo de Concentração do Tarrafal, a mando de seu irmão [...] o Sr. Comandante José Francisco. Casado com única herdeira do banco Pinto Souto Maior, ele estava à frente de todas as empresas: Homem com muitas posses, [...] tinha negócios no Brasil e o Sr. Carlos Luís veio como caixeiro viajante, comercializando produtos da empresa do irmão por todo o Brasil."

[Carteira de trabalho do comércio do Rio de Janeiro || 1954 || Documentos da Família, cedidas por Rodney de Castro Rodrigues]

"FORTALEZA"

"Em Fortaleza, onde tinha muitos amigos portugueses e comerciantes, e sempre estava a vender mercadoria para eles. Certa vez estava ele passeando pelo parque das crianças à noite, não se sabe ao certo a época, mas pouco tempo que aqui havia chegado, conheceu Raimunda Mirtes. O local era ponto de encontros e passeios, inaugurado em 1810, antes conhecido como Parque da Liberdade. O destino dos dois estava traçado e pouco depois de três meses foi a casa da já então namorada, pedir a sua mão em casamento para a mãe de Raimunda. Casaram-se e moraram por um ano em Fortaleza. Após isso moraram por um tempo em Salvador, Bahia, e após esse período, seu irmão José Francisco o levou para São Paulo já com um cargo de maior destaque dentro da empresa Casas Souto Maior."

[Carlos Luís, Raimunda Mirtes e esposa de José Francisco, Elsa Souto Maior || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

"MARIA TERESA"

"Alguns meses depois, Raimunda Mirtes já gravida de 8 meses da pequena Tereza, seu cunhado José Francisco chamou-a e perguntou: Mirtes, você prefere que sua filha venha a nascer carioca ou paulista? Ela prontamente respondeu: Onde é que você quer que a gente vá? Diga e iremos. José Francisco explicou os planos e em comum acordo partiram para o Rio de Janeiro, mais precisamente em Ipanema, até hoje um dos melhores e mais valorizados bairros da cidade. Ali nasceu Maria Tereza Soares Matoso."

 [Carlos Luís e a filha Maria Tereza]

 
[Carlos Luís, Raimunda Mirtes e a filha Maria Tereza || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

"GAROTA DE IPANEMA"





[Carlos Luís e a filha Maria Tereza || Fotografia da Família, cedida por Rodney de Castro Rodrigues]

[Continua...]

NOTA: O autor deste Blogue agradece, muito sensibilizado, a Maria Tereza Matoso Sampaio, filha de Carlos Luís Correia Matoso), à neta Rafaela Matoso e a Rodney de Castro Rodrigues, marido de Rafaela, a confiança de poder disponibilizar esta Homenagem a um Homem de respeito e cuja história de vida merece ser (re)conhecida.