[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

sexta-feira, 10 de julho de 2020

[2399.] ODETE DE LIMA CARVALHO DOS SANTOS [I] || RESISTENTE ANTIFASCISTA

* ODETE DE LIMA CARVALHO [PAIVA] DOS SANTOS *
[03/07/1925 - 15/10/2009]

Odete Carvalho dos Santos foi uma das jovens que pertenceu ao MUD Juvenil e que ao aderir, em 1946, ao Partido Comunista conheceu a clandestinidade e a prisão, onde nasceu a filha. 

[Odete de Lima Carvalho dos Santos || 1976 || Fotografia cedida pela Filha Isabel]

Filha de Carolina Pereira de Lima e de Manuel Viegas de Carvalho, nasceu em São Pedro do Sul em 3 de Julho de 1925. 

[João Paiva dos Santos || Fotografia cedida pela Filha Isabel]

Casada com o litógrafo João Paiva dos Santos [28/02/1920 - 25/12/2017], militante do Partido Comunista preso por diversas vezes entre 1949 e 1974, Odete de Lima Carvalho dos Santos iniciou nova a actividade política de oposição ao Estado Novo, tendo sido activista do MUD Juvenil e aderido àquele partido em 1946. 

Desempenhou, então, actividade técnica no âmbito de reuniões e da «impressão clandestina, principalmente de unidade democrática, sendo a sua casa várias vezes ponto de apoio dos camaradas funcionários do Partido» [Avante!, 29/10/2009, p. 10]. 

Participou, em 1949, na campanha eleitoral de Norton de Matos (1949) e seria detida pela PIDE no ano seguinte, em 14 de Fevereiro de 1950, ficando em prisão preventiva durante exactamente nove meses, apesar de estar grávida da filha mais velha e, entretanto, o bebé ter nascido. Parte da detenção, entre 9 de Junho e 10 de Outubro, decorreu na Maternidade Alfredo da Costa, por ter tido um princípio de aborto com hemorragias, sendo libertada em 14 de Novembro ao ser absolvida pelo Plenário do Tribunal Criminal de Lisboa. 

[Odete de Lima Carvalho dos Santos || ANTT || RGP/19650 || PT-TT-PIDE-E-010-99-19650]

Em liberdade, Odete Carvalho dos Santos continuou a actividade política: participou, em 1958, nas campanhas presidenciais dos candidatos Arlindo Vicente e Humberto Delgado; colaborou na Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP), constituída em finais de 1969; interveio, no âmbito da Comissão Democrática Eleitoral (CDE), nas eleições de 1969 e 1973 e no Congresso da Oposição Democrática, em Aveiro. 

O percurso político e o trabalho desenvolvido fizeram com que trabalhasse, como telefonista, na primeira sede oficial do Partido Comunista após o 25 de Abril de 1974 e, posteriormente, na CDL (Central Distribuidora Livreira). Reformada, instalou-se em Brescos, aldeia alentejana da freguesia de Santo André, concelho de Santiago do Cacém, onde continuou a militância partidária de mais de seis décadas. 

[Entrevista a Gina de Freitas || Diário de Lisboa, 15/10/1974]

Relatou, em entrevista a Gina de Freitas, publicada no Diário de Lisboa de 15 de Outubro de 1974, vivências da sua prisão em Caxias, a assistência prestada na Maternidade Alfredo da Costa e as torturas infligidas ao marido durante os vários anos de cadeia.

Faleceu em 15 de Outubro de 2009, com 84 anos de idade. 

[João Esteves]

[2398.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [L] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || L *

0465. António Augusto [1932]

[Celorico da Beira, 1909, serralheiro / operário no Arsenal da Marinha. Entregue pela Polícia Internacional Portuguesa à Polícia Especial do Ministério do Interior em 22/01/1932 (Processo 359-A). Libertado em 06/05/1932].

0466. António Bandeira Cabrita [1928, 1931]

[António Bandeira Cabrita]

[Vila Real de Santo António, 18/06/1910, estudante de Ciências - Lisboa. Preso em 24/07/1928, «por estar comprometido na explosão de bombas de Moncarapacho e no movimento revolucionário de 20» de Julho (Revolta do Castelo); libertado em 27/08/1928 (Processo 3890). Preso em 25/08/1931, «por ser um perigoso agitador comunista» e estar envolvido na revolta contra a Ditadura Militar de 26 de Agosto de 1931, sendo militante do Partido Comunista. Deportado para Timor em 02/09/1931 (Processo 330). Abrangido pela amnistia de 05/12/1932 e autorizado a regressar, seguiu para Macau «na situação de deportado político», de onde se ausentou em Julho de 1934, «desconhecendo-se o destino que seguiu», alvitrando-se que terá seguido para a União Soviética através da China. Combateu na Guerra Civil de Espanha contra os revoltosos de Franco, tendo morrido na frente de Talavera].

0467. António Banheiro Nunes Barros [ou Barroso] [1929]

[Alter do Chão, 1903, 1.º Cabo Telegrafista (de Infantaria 11?). Preso em 14/04/1929; libertado em 25/04/1929 (Processo 4291)].

[João Esteves]

[2397.] ARTUR DE OLIVEIRA SANTOS [III] || JOSÉ POÇAS DAS NEVES (2020)

* ARTUR DE OLIVEIRA SANTOS *
[22/01/1884 - 27/06/1955]

José Poças das Neves

Artur de Oliveira Santos: um republicano idealista (1884 - 1955), o administrador de Ourém ao tempo das aparições de Fátima

Edições Colibri || Maio de 2020







 

[2396.] ARTUR DE OLIVEIRA SANTOS [II] || JOSÉ POÇAS DOS SANTOS (2020)

* ARTUR DE OLIVEIRA SANTOS *
[22/01/1884 - 27/06/1955]

Republicano muito prestigiado em Ourém, Artur de Oliveira Santos testemunhou, em Lisboa, a Revolução de 5 de Outubro de 1910. 

Foi Administrador do Concelho de Vila Nova de Ourém quando do fenómeno de Fátima e combateu a Ditadura Militar desde os primórdios.

Participou na Revolta de 20 de Julho de 1928, esteve preso e exilou-se em Espanha em 1931, onde interveio na Guerra Civil, aí permanecendo até 1939/1940.

José Poças das Neves, no livro Artur de Oliveira Santos: um republicano idealista (1884 - 1955), o administrador de Ourém ao tempo das aparições de Fátima, editado pela Colibri em Maio de 2020, traça-lhe, detalhadamente e de forma documentada, o invulgar e sofrido percurso político.

[José Poças das Neves || Artur de Oliveira Santos: um republicano idealista (1884 - 1955) || Edições Colibri,  2020]

Livro recheado de informações e de documentação, nomeadamente a consultada na Torre do Tombo e no riquíssimo espólio familiar minuciosamente explorado por José Poças, importa aqui referir o percurso cívico e político de Artur de Oliveira Santos após a implantação da Ditadura Militar em 28 de Maio de 1926, tornando-se um persistente opositor com diversas consequências, desde a prisão, por várias vezes, ao exílio em Espanha, de onde só regressou em 1940.

Administrador do Concelho de Ourém, já não tinha pactuado com a ditadura sidonista, demitindo-se do cargo em 8 de Dezembro de 1917, aquando da subida de Sidónio Pais ao poder na sequência do movimento iniciado em 5 do mesmo mês. O 28 de Maio de 1926 apanhou-o, novamente, como Administrador do mesmo concelho, tendo sido demitido e substituído em 3 de Junho. Passava, definitivamente, para as fileiras da Oposição e aí se manteve activo, até falecer, no combate possível à ditadura que terminara com a 1.ª República.

Envolveu-se nos preparativos do movimento revolucionário de 20 de Julho de 1928, conhecido como a "Revolta do Castelo", quando era terceiro-oficial do Ministério das Colónias. Depois de ter andado fugido, acabou por ser preso em 1 de Setembro de 1928, em Leiria, e enviado para Santarém para ser interrogado. Em 4 de Setembro, seguiu para Lisboa, onde foi entregue, sob prisão, ao Delegado Especial do Ministério do Interior e, no dia seguinte, foi sujeito a interrogatório pela Polícia de Informação.

Nesse mesmo mês, foi encarcerado em Monsanto e, posteriormente, no Aljube, havendo fotografia com um grupo de presos, datada de 5 de Maio de 1929, onde consta a identificação dos 16 presos [pp. 234-235]: Adelino Magalhães (Lisboa); António Abreu (Lisboa); António Teixeira (Lisboa); Artur de Oliveira Santos (Vila Nova de Ourém); João Rodrigues da Silva (Lisboa - deportado); Manuel [?] (Lisboa); Manuel G. da Silva (Lisboa); Manuel Mota (Lisboa); Manuel Padeiro (Lisboa); Mário Maia (Lisboa); Miguel Monteiro (Espinho); Miguel Picado (Lisboa); Pina Marques (Lisboa); Silva Reis (Porto); Tércio de Miranda (Porto - deportado); e Videira (Sargento - Lisboa).

Libertado em 28 de Maio de 1929, fixou-se, novamente, em Vila Nova de Ourém.

Dois anos depois, durante a revolta da Madeira, iniciada em 4 de Abril de 1931, Artur de Oliveira Santos apareceu como um dos responsáveis pelo corte das linhas férreas e telegráficas em Albergaria dos Doze, ocorrido na noite de 1 para 2 de Maio. Na sequência do falhanço da revolta da Madeira e do envolvimento naquela tentativa de descarrilamento, saiu de Ourém, andou escondido e, em meados de Setembro, refugiou-se em Espanha, entrando por Badajoz, já depois da inconsequente revolta de 26 de Agosto.

O exílio em Espanha acabou por durar dez longos anos, entre 1931 e 1940, sobrevivendo mediante venda pedestre de gravatas e, durante a Guerra Civil, trabalho hospitalar, sempre à espera de poder regressar a Portugal e integrar um movimento revolucionário que acabasse com o regime ditatorial saído do 28 de Maio.

Manterá, durante essa década, intensos contactos com importantes refugiados e exilados portugueses espalhados por Espanha, acompanhando os seus esforços, dissensões e mobilizações para regressarem ao país. Apontado como próximo do "Grupo dos Budas", foi trocando correspondência com Bernardino Machado, a quem tratava por "Presidente da República Democrática de Portuguesa" [p. 252], exortando-o a pôr fim aos sucessivos conflitos entre as chefias, que minavam a união dos exilados, e pugnando pela criação de uma frente única que fizesse a Revolução. Encontra-se documentação no Arquivo Casa Comum, da Fundação Mário Soares, e é possível ler as missivas para Bernardino Machado no Blogue do Dr. Manuel Sá Marques, falecido em Fevereiro deste ano.

Com o início do golpe militar desencadeado por Franco contra o legítimo governo republicano, Artur de Oliveira Santos teve de abandonar a venda avulsa de gravatas e passou a trabalhar em diversos hospitais até à entrada triunfante das tropas daquele em Madrid, em Março de 1939.

São anos de luta pela sobrevivência económica, agravada por problemas de saúde, sempre com a esperança, sucessivamente frustrada, de que algo mudasse entre os exilados e em Portugal.

Entretanto, participou na reunião fundadora da União Anti-Fascista dos Emigrados Portugueses, realizada em Outubro de 1936, e aderiu ao Socorro Vermelho Internacional.

Preso, então, por três vezes, a última das quais por sete meses e meio, solicitou a intervenção do Cônsul português e acabou por voltar a Portugal, sendo preso na fronteira e interrogado pela PVDE em Fevereiro de 1940. Levado para Caxias, seria libertado em 16 de Março desse ano.

Seguem-se anos de dedicação a iniciativas em prol do seu concelho, mantendo algumas intervenções políticas,  como a do apoio ao Almirante Quintão Meireles aquando das eleições presidenciais de 1951, na sequência do falecimento de Óscar Carmona.

Utilizou o pseudónimo João de Ourém e casou com Idalina de Oliveira Santos, de quem teve vários filhos, mantendo relevante correspondência com a família durante os anos de exílio.

Faleceu em 27 de Junho de 1955, aos 71 anos, sendo o seu desaparecimento noticiado com destaque de primeira página,  incluindo fotografia, pelo jornal República,  entre outros.

[José Poças das Neves || Artur de Oliveira Santos: um republicano idealista (1884 - 1955) || Edições Colibri,  2020]

[João Esteves]

quinta-feira, 9 de julho de 2020

[2395.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLIX] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLIX*

0456. António Augusto Ferreira da Cruz [1930, 1930]

[Santiago de Bougado - Santo Tirso, 1910, jornalista - Coimbra. Preso e entregue pela Polícia de Informações de Coimbra em 29/07/1930; libertado em 10/08/1930. Preso e entregue pela Delegação de Coimbra em 27/11/1930; libertado em 03/12/1930 (Processo 4707-B)].

0457. António Augusto Franco [1928, 1930, 1936, 1937] 

[Figueira de Castelo Rodrigo, 16/06/1875, Capitão de Infantaria / Capitão reformado. Preso em 01/05/1928 (v. Processo 3677) e deportado para S. Tomé em 04/05/1928. Preso em 11/06/1930, em Coimbra, por participar numa reunião secreta de carácter maçónico (Processo 180/Coimbra). Mandado apresentar no Quartel General da 2.ª Região Militar, foi-lhe fixada residência em Miranda do Corvo. A viver em Miranda do Corvo, foi preso pela Delegação do Porto em 24/05/1936; libertado em 07/07/1936 (Processo 578/36). Preso pela Inspecção de Coimbra em 12/07/1937 e transferido para Lisboa em 13/07/1937, recolheu ao Aljube. Entregue, em 14/07/1937, ao Quartel Militar de Lisboa].

0458. António Augusto Henriques [1928]

[António Augusto Henriques || 12/04/1928 || ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Preso, provavelmente, em Abril de 1928].

0459. António Augusto Mateus [1931]

[Capitão de Infantaria. Pelo menos em 1931, residência fixada em Aveiro. Recusada transferência para o Porto].

0460. António Augusto Pereira [1927]

[Vila Verde, 1889, electricista - Lisboa. Preso em 02/07/1927; libertado em 06/07/1930 (v. Processo 3150)].

0461. António Augusto Pires Moreira [1932]

[Lisboa, 1905, chofer - Lisboa. Preso pela PSP de Lisboa e entregue em 04/02/1932. Libertado no mesmo dia por «não haver matéria que mereça a atenção desta polícia» (Processo 221)].

0462. António Augusto Santos [ ]

[Ex-Chefe da PSP. Vigiado em 1930. Deportado para Timor, foi abrangido pela amnistia de 05/12/1932, sendo mandado regressar ao Continente. Não veio a bordo do vapor "Moçambique" que atracou em 09/06/1932].

0463. António Augusto [1927] 

[Lisboa, 1891, funcionário público. Preso durante a Monarquia (25/10/1908). Preso duas vezes durante a 1.ª República: 11/11/1916, por distribuir prospectos antimilitatistas, e libertado em 18/11/1916; 30/04/1920, solto no mesmo dia). Preso em 28/05/1926, em Mafra, «por suspeita de estar comprometido no movimento revolucionário»; libertado em 30/05/1926. Preso em 17/11/1927, por envolvimento no movimento de 7 de Fevereiro (Processo 3373) e deportado para Timor e 22/11/1927. Em 29701/1930, o Ministério do Interior informou que se encontrava em São Tomé. Seguiu, em 09/05/1930, para os Açores a bordo do vapor Pedro Gomes. Chegou ao Funchal em 21/05/1930, onde se apresentou no Quartel General do Governo Militar da Madeira. Embarcou, em 10707/1930, para Angra do Heroísmo, para onde foi transferido. Em Dezembro de 1932, quando foi abrangido pela amnistia de 5 de Dezembro, estava com residência obrigatória em Cabo Verde. Regressou e apresentou-se em 16/01/1933, ficando a residir em Lisboa].

0464. António Augusto [1932]

[Lisboa, 1906, serrador mecânico - Lisboa. Preso em 07/10/1932 - filiado 142 da Célula N.º 6 do Comité de Zona N.º 3 do Partido Comunista (v. Processos 452, 460, 568). Libertado em 10/12/1932. Julgado pelo TME em 16/12/1933, foi considerado abrangido pela amnistia de 05/12/1932 (Processo 11-933/TME)].

[João Esteves]

quarta-feira, 8 de julho de 2020

[2394.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLVIII] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLVIII *

0452. António Augusto de Andrade [1932]

[Murça, 1902, Guarda N.º 16 da PSP de Viseu - Viseu. Preso pela Delegação do Porto em 01/03/1932 por estar filiado no Partido Comunista; libertado em 02/04/1932 (Processos 52/Porto; 561/SPS)] [https://digitarq.arquivos.pt/details?id=4709914].

0453. António Augusto de Sousa [1932]

[Aveiro, 1889, empregado no comércio - Lisboa. Entregue pelo Quartel de Metralhadoras Nº 1 em 30/04/1932; libertado em 03/05/1932 (Processo 369)].

0454.  António Augusto dos Santos Seca [1927, 1927, 1931, 1933]

[Bragança, 1891, Oficial Principal dos Correios e Telégrafos - Lisboa. Preso em 04/03/1927. Preso em 14/12/1927 (Processo 3431); libertado em 06/01/1928. Em 08/01/1928 foi colocado, a pedido da Polícia, na cidade da Horta (Açores). Mudou, em 26/01/1929, de S. Tomé para o Planalto de Moçâmedes. Em 04/12/1929, o Ministério do Interior informou que foi transferido de Angola para os Açores. Regressou em 10/02/1931 e apresentou-se na Polícia, afirmando passar a residir no Porto. Preso em 19704/1931; libertado em 03/05/1931. Em 19/11/1933 embarcou em Peniche com destino a Angra do Heroísmo. Regressou e apresentou-se na PVDE em 08/09/1934, voltando a residir no Porto. Constantemente vigiado por informadores. Irmão de Luís Emílio dos Santos Seca, preso posteriormente]. 

0455. António Augusto Fernandes [1932]

[Torres Vedras, 1905, caldeireiro da Casa Argent - Lisboa. Preso em 03/03/1932 (Processo 259); libertado em 04/03/1932].

[João Esteves]

terça-feira, 7 de julho de 2020

[2393.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLVII] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLVII *

0437. António Álvaro Nunes Sério [1932]

[Alvaiázere, 1901, solicitador provisionário - Alvaiázere. Entregue pela PSP de Santarém em 03/06/1932 (v. Processo 415). Libertado em 16/07/1932]. 

0438. António Alves da Silva [1930]

[Guetim - Espinho, 1894, empregado no comércio - Lisboa. Preso em 16/04/1930 e libertado no mesmo dia (v. Processo 4557)].

0439. António Alves de Carvalho [1931] 

[Alter do Chão, 1895, servente - Lisboa. Preso pela Secção de Justiça e Informações do Comando da PSP de Lisboa e entregue em 02/11/1931; libertado em 13/01/1932 (Processo 187)].

0440. António Alves Jana [1930, 1930, 1935, 1936]

[António Alves Jana || ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Penhascoso - Mação, 16/06/1900, médico - Vila Franca de Xira. Preso em 16/04/1930, a pedido da Secção da Polícia de Informações do Ministério do Interior em Santarém; libertado em 17/04/1930 (Processo 4554-M). Preso em 13/05/1930; libertado em 17/05/1930. Entregue, em 25/03/1935, na Secção Política e Social e levado para o Aljube. Julgado pelo TME em 30/03/1935 e libertado no mesmo dia (Processo 1405/SPS). Preso em 31/08/1936, levado para a 1.ª Esquadra; libertado em 12/11/1936].

0441. António Alves Militar [1933]

[Lisboa, 1892, militar. Preso em 23/01/1933; libertado em 25/01/1933 (Processo 603)].

0442. António Alves Pinto Palafox [1932]

[Braga, 1910, estudante. Preso em 17/02/1932 pela Delegação do Porto, acusado de ter sido incumbido de organizar as Juventudes Comunistas em Braga; libertado em 02/04/1932 (Processo 52/Porto; 561/SPS)] [https://digitarq.arquivos.pt/details?id=4709914].

0443. António Alves [1927]

["O Jardineiro". Tábua, 1894, descarregador - Lisboa. Preso em 26/06/1927; libertado em 14/07/1927 (v. Processo 3147)].

0444. António Alves [1932]

[Marco de Canaveses, 1911, polidor - Porto. Preso em Janeiro de 1932 pela Delegação do Porto; libertado em 02/04/1932 (Processo 52/Porto561/SPS)] [https://digitarq.arquivos.pt/details?id=4709914].

0445. António Amador [1933]

[Lisboa, 1907, estivador. Preso pela PSP em 04/10/1933 e entregue à PVDE nesse mesmo dia; libertado em 31/10/1933 (v. Processo 807)].

0446. António André de Oliveira [1932]

[Santiago do Cacém, 1885, trabalhador - Vale da Rainha. Preso pela PSP de Setúbal e entregue em 08/11/1932 (v. Processo 569). Libertado em 08/12/1932].

0447. António André [1928]

[Souto de Abrantes, 1893, sapateiro. Preso em 22/07/1928 (Processo 3852); libertado em 04/10/1928].

0448. António Antunes Duarte [1931]

[Olalhas - Tomar, 1891, funileiro - Lisboa. Preso em 13/01/1931; libertado em 28/02/1931 (v. Processo 4762). Anteriormente, terá fugido quando estava a bordo do navio Lourenço Marques quando ia ser deportado e, talvez, esta captura].

0449. António Aragão Paiva [1932]

[Oliveira do Hospital, 1898, publicista - Lisboa. Preso pela Delegação do Porto na Pensão Ideal em 06/09/1932; libertado em 22/10/1932 (Processo 114/Porto; Processo 573/SPS)].

0450. António Armando dos Santos Carvalho [1933]

[Lisboa, 1891, desempregado. Preso pela PSP em 17/03/1933 e entregue à SPS em 19/03/1933; libertado em 21/03/1933 (v. Processo 636)].

0451. António Arsénio [1929]

[António Arsénio || ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Preso, provavelmente, em Fevereiro de 1929].

[João Esteves]

segunda-feira, 6 de julho de 2020

[2392.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLVI] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLVI *

0426. António Adelino Rovisco Rouco [1931] 

[São Lourenço - Portalegre, 1900, tesoureiro do Banco de Portugal. Entregue pelo Comando da PSP de Portalegre em 25/04/1931 e libertado em 21/05/1931 (v. Processo 4893)].

0427. António Afonso Barbosa [1927, 1930]

[Coimbra, 1897, agente de passaportes. Preso em 22/11/1927; libertado em 26/11/1927. Preso em 07/10/1930; libertado em 17/10/1930].

0428. António Afonso Graça [1933]

[Vila Nova de Ourém, 1911, empregado na Companhia dos Telefones. Preso em 22/07/1933 (v. Processo 763); libertado em 17/08/1933].

0429. António Afonso Pereira [ ]

[Tenente. Deportado político, apresentou-se no Ministério do Interior em 12/12/1929].

0430. António Aires dos Reis [1932]

[Vila da Feira, 1900, comerciante - Braga. Preso em 29/02/1932 por estar filiado no Partido comunista, sendo o seu organizador em Braga com o nome suposto de Julião Rocha. Libertado em 02/04/1932 (Processo 52/Porto; Processo 561)].

0431. António Alberto Cardoso [1931]

[Vilarinho - Mogadouro, 1876, comerciante - Lisboa. Preso em 08/01/1931, libertado em 12/01/1931 (Processo 4758)].

0432. António Alberto Mota Prego Faria [1930]

[S. Torcato - Guimarães, 1908, estudante de Direito - Lisboa. Preso no Ministério de Instrução em 19/11/1930. Solto no mesmo dia].

0433. António Albino [1933] [Faleceu no Hospital de S. José]

[Ferreira do Zêzere, 1882, chofer - Lisboa. Preso em 26/05/1933 (Processo 746). Entrou no Hospital de S. José, onde ficou internado para tratamento, em 15/10/1933. Julgado pelo TME em 07/05/1934 (Processo 71/933, do TME). Faleceu no Hospital de S. José, no Serviço N.º 2 - Sala 1, onde estava internado, em 24/10/1935].

0434. António Alexandre Bandeira [1928, 1930]

[Lisboa, 1897, comerciante - Lisboa. Preso em 18/07/1928 (Processo 3826). Preso em 04/04/1930 e deportado para a Ilha de Santa Maria (Açores) em 08/05/1930 (Processo 4547-B). Regressou dos Açores e apresentou-se em 10/02/1931].

0435. António Almeida Fonseca [1932]

[Porto, 1903, s/profissão - Lisboa. Preso em 01/04/1932; libertado em 08/04/1932].

0436. António Almeida Pinto [1928]

 [António Almeida Pinto || 12/04/1928 || ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Provavelmente, preso em Abril de 1928].

[João Esteves]

domingo, 5 de julho de 2020

[2391.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLV] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLV *

0421. Anselmo Rodrigues de Sousa [1932]

[Lisboa, 1912, Soldado 55/31 do Regimento de Sapadores Mineiros. Entregue pelo Quartel General do Governo Militar de Lisboa à Secção de Vigilância Política e Social da Polícia Internacional Portuguesa em 05/05/1932 (Processo 355). Ficou recluso numa das prisões daquela Governo Militar].

0422. Antero Geraldes Monteiro [ ]

[Ex-Furriel. Deportado para Timor, foi abrangido pela amnistia de 05/12/1932. Desembarcou em 09/06/1933 e apresentou-se em 10/06/1933].

0423. Antero Vinhas [1932] [Faleceu no Hospital depois de preso]

[Porto, 1894, empregado na Câmara Municipal do Porto. Preso em 14/01/1932 (Processo 40/Porto). Faleceu no Hospital de Santo António em 26/02/1932].

0424. Antoine H. Hanne [1927]

[Preso em 25/06/1927. Solto, condicionalmente, em 01/07/1927 (v. Processo 3145)].

0425. Antonino Francisco [1932, 1933, 1936]

[Antonino Francisco || 1933 || ANTT || RGP/9 || PT-TT-PIDE-E-010-1-9]

[Ervidal da Beira, 1905, carpinteiro - Lisboa. Preso pela Secção de Vigilância Política e Social em 25/08/1932, por integrar a Aliança Libertária de Lisboa. Libertado em 13/10/1932 (Processo 507). Preso em 22/03/1933 (Processo 646). Julgado pelo TME em 19/04/1933, embarcou com destino a Angra do Heroísmo em 19/11/1933, de onde regressou em 09/11/1934, saindo em liberdade no dia seguinte. Preso em 04/11/1936, foi mantido, incomunicável, numa esquadra, em 03/12/1936 passou para a 1.ª Esquadra e, finalmente, seguiu para o Aljube no dia 19/12/1936. Durante o primeiro semestre de 1937, andou entre o Aljube e a 1.ª Esquadra e, em 05/06/1937 seguiu para o Tarrafal, ali permanecendo entre 12/06/1937 e 16/03/1941.

[Antonino Francisco || 27/03/1941 || ANTT || RGP/9 || PT-TT-PIDE-E-010-1-9]

Enviado para Caxias, aí permaneceu até ser julgado, em 19/07/1941, pelo Tribunal Militar Especial, tendo a pena de degredo sido substituída por dois anos de prisão correccional, dada por expirada com o tempo de prisão sofrida. No entanto não foi solto nesse dia, como indicava o mandado de soltura, continuando em prisão preventiva por decisão da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado. Em 24/07/1941 foi, pela última vez, transferido para Peniche e libertado em 25/12/1941].

[João Esteves]

[2390.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLIV] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLIV *

0406. Aníbal Batista [1928] 

[Vale de Remígio - Mortágua, 1908, empregado no comércio - Coimbra. Preso pela Polícia de Informações de Coimbra em 03/12/1928; libertado em 11/12/1928].

0407. Aníbal Cândido de Vasconcelos [1929, 1930, 1937, 1939, 1949]

[Aníbal Cândido de Vasconcelos || Década de 1910 (1918?) || ANTT || ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-1-NT-8902]

[Leça da Palmeira, 06/01/1887, vendedor ambulante de tabaco - Lisboa; cobrador - Lisboa; empregado forense - Lisboa. Em 1918, durante os meses de Julho e Agosto, foi preso pela Polícia Preventiva por três vezes e violentamente torturado:  «espancado a cavalo marinho, açulado contra ele um cão e deram-lhe uma coronhada que acertou no cão. Por último, partiram-lhe duas costelas» [Cunha Leal, Diário da Câmara dos Deputados, Sessão N.º 7, 13 de Dezembro de 1918]. Ter-se-á  filiado no Partido Socialista após da derrota dos monárquicos em Monsanto e, em Dezembro de 1920, integrou a Comissão Organizadora dos Trabalhos para a Constituição do Partido Comunista, chegando a fazer parte do seu Comité Central em 1923. Preso, novamente, em 1922 e 1923. Preso em 04/04/1929, por ter tomado parte no movimento revolucionário de 20/07/1928 e libertado em 28/05/1929 (v. Processo 4282). Preso em 29/03/1930, por «estar comprometido com Fidelino da Costa no projecto do rapto do Senhor Ministro das Finanças», e solto em 18/04/1930 (Processo 4573). Preso em 22/01/1937, passou pelos calabouços da 1.ª Esquadra e, no dia seguinte, seguiu para Caxias, sendo libertado em 24/03/1937 (Processo 74/937). 

[Aníbal Cândido de Vasconcelos || 26/04/1939 || ANTT || RGP/5773 || PT-TT-PIDE-E-010-29-5773]

Preso em 25/04/1939 e, por ser «conspirador de todos os tempos com largo cadastro», deportado para Angra do Heroísmo, onde desembarcou em 23 de Maio. Regressou em 23 de Dezembro e foi libertado no mesmo dia (Processo 480/939).

[Aníbal Cândido de Vasconcelos || 05/09/1949 || ANTT || RGP/5773 || PT-TT-PIDE-E-010-29-5773]

Entregue preso à PVDE em 03/09/1949, vindo da Penitenciária, permaneceu no Aljube até 11/11/1949, quando regressou àquela (Processo 1115/49). Terá falecido em 1974, em Lisboa]. 

0408. Aníbal Dantas [1930]

[Porto, 09/05/1897, carreiro. Preso pela Polícia de Informações do Porto e entregue em 01/10/1930, por ser «um dos principais elementos da União Anarquista». Deportado para os Açores, embarcou em 08/10/1930. Casou com Virgínia Teixeira e faleceu em 14/06/1963]. 

0409. Aníbal de Figueiredo [ ]

[Tenente. Fixada residência em Vila Real. Vigiado por informadores].

0410. Aníbal de Sousa [1930, 1930]

[Lisboa, 1901, pirotécnico. Preso em 22/05/1930; libertado em 10/06/1930 (v. Processo 4569). Preso em 28/11/1930; libertado em 04/12/1930].

0411. Aníbal Duarte Chaves [1930]

[Aníbal Duarte Chaves || República || 26/11/1934]

[Porto, 1878, negociante / comerciante - Porto. Preso em 04/10/1930, libertado em 10/10/1930 (Processo 4698-0). Faleceu em 25/11/1934].

0412. Aníbal Gonçalves da Silva [1931]

[Lisboa, 1909, serralheiro - Lisboa. Preso em 28/08/1931 pela Secção de Justiça e Informações do Comando da PSP de Lisboa e libertado em 15/09/1931 (Processo 112)].

0413. Aníbal Lameiras Fernandes [1927, 1928]

[Aníbal Lameiras Fernandes || 08/10/1927 || ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[São Miguel - Açores, 1875, funcionário público - Lisboa. Preso em 08/10/1927 (Processo 3263). Preso em 19/08/1928; libertado em 04/10/1928 (Processo 3976)].

0414. Aníbal Lopes Gaspar [1931]

[Lisboa, 1912, serviçal - Lisboa. Preso em 09/06/1931; libertado em 23/06/1931 (Processo 4997-A)].

0415. Aníbal Marques [1931]

[Lisboa, 1901, pedreiro - Lisboa. Preso em 26/08/1931 e levado para Artilharia 3. Deportado para Timor em 02/09/1931 (Processo 326). Abrangido pela amnistia de 05/12/1932, foi autorizado a regressar: desembarcou em 09/06/1933 e apresentou-se no dia 12].

0416. Aníbal Martins [1928]

[Lisboa, 1905, enfermeiro - Lisboa. Preso em 04/08/1928; libertado em 06/08/1928 (Processo 3945)].

0417. Aníbal Raul de Palma [1931]

[Lisboa, 1898, empregado no comércio - Lisboa. Preso em 10/06/1931; libertado em 23/06/1931 (Processo 4997-A)].

0418. Aníbal Rego de Vilas Boas Neto [1932]

[Esposende, 1890, médico - Porto. Preso em 30/08/1932 e libertado no mesmo dia (Processo 108/Porto)].

0419. Aniceto Lemos ou Aniceto Ferreira [1927, 1931, 1934]

[Castro Daire, 1907, estofador. Preso em 1927. Preso em 22/04/1931 e deportado, em 06/06/1931, para Cabo Verde. Abrangido pela  amnistia de 05/12/1932, foi autorizado a regressar e apresentou-se em 18/01/1933. Preso em 18/07/1934; libertado em 02/12/1934 (Processo 1212)].

0420. Aniceto Terron Diaz [1931, 1932, 1932]

[Badajoz, 1901, mecânico - Olhão. Preso em 19/12/1931. «por suspeita de fazer parte do Comité Comunista». Libertado em 24/12/1931 e intimado a abandonar o país no prazo de 48 horas. Preso em 16/02/1932, em Beirã, e expulso pela fronteira de Marvão em 15/02/1932. Preso em 28/07/1932, em Olhão, pelas Autoridades Administrativas de Faro por ordem da Polícia Internacional Portuguesa e entregue em 06/08/1932: «suspeita de ser agente comunista». Expulso de Portugal em 21/09/1932].

[João Esteves]

sábado, 4 de julho de 2020

[2389.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLIII] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLIII *

0401. Aníbal Alves de Castro [1931]

[Lisboa, 1897, pintor - Lisboa. Preso em 26/08/1931, conduzido para a Esquadra de Campolide e, depois, para Artilharia 3, onde permaneceu até ao dia 28. Transitou, então, para o Governo Civil e, de seguida, para a Penitenciária de Lisboa. Deportado para Timor em 02/09/1931 (Processo 325). Abrangido pela amnistia de 05/12/1932, desembarcou em 09/06/1933 e apresentou-se no dia 12/06/1933, saindo em liberdade].

0402. Aníbal Alves [1928]

[Assafarge, 1897, agricultor. Preso em Dezembro de 1928 pela Polícia de Informações de Coimbra].

0403. Aníbal Augusto Ferreira [1931]

[Bragança, 1890, serventuário da Alfândega - Lisboa. Preso em 26/08/1931 e levado para a Penitenciária de Lisboa. Deportado para Timor em 02/09/1931 (Processo 328). Abrangido pela amnistia de 05/12/1932, foi autorizado a regressar: desembarcou em 09/06/1933 e apresentou-se no dia 12, saindo em liberdade].

0404. Aníbal Augusto Pires [1929]

[Bragança, 1910, 1.º Cabo de Caçadores 7. Preso em 27-28/03/1929 e entregue às autoridades militares em 18/04/1929 (Processo 4275)].

0405. Aníbal Augusto [1928, 1932]

[Marmelos - Mirandela, 1902, criado de farmácia - Porto. Preso e entregue pela GNR à Polícia Internacional Portuguesa / Porto em 24/07/1928, acusado de estar implicado no movimento de 20 de Julho (Processo 89/Porto). Libertado em 04/10/1928. Preso em 21/01/1932 pela PIP/Porto (Processo 40/Porto, Processo 550/PIP). Libertado em 11/03/1932].  

[João Esteves]

sexta-feira, 3 de julho de 2020

[2388.] PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS - DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO [XLII] || 1926 - 1933

* PRESOS POR MOTIVOS POLÍTICOS: DA DITADURA MILITAR AO INÍCIO DO ESTADO NOVO || XLII *

0387. Álvaro Américo Félix [1933] 

[Porto, 1899 (?), agente da Polícia de Investigação Criminal. Preso em 28/10/1933 (Processo 207). Deportado em 18/11/1933 (?)].

0388. Anastácio Inácio [1929] 

[Anastácio Inácio || 15/02/1929 || ca-PT-TT-PVDE-Polícias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Preso, provavelmente, em Fevereiro de 1929].

0389. Anastácio Martins Cacheira [1932] 

[Castelo Branco, 1901, condutor 1432 da C. C. F. de Lisboa. Preso em 08/10/1932 (Processo 539), libertado em 15/10/1932].

0390. Andrade [ ]

[Tenente. Vigiado. Segundo anotação do Informador 150, datada de 23/11/1930, já estivera deportado].

0391. André das Neves [1928, 1930, 1935]

[André das Neves || 04/05/1918 || ca-PT-TT-PVDE-Polícias-Anteriores-3-NT-8903 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Góis, 16/07/1881, comerciante - Lisboa. Provavelmente, preso durante a 1.ª República. Preso em 28/11/1928, libertado em 24/12/1928 (Processo 4139). Preso em 09/12/1930 (v. Processo 4735-A) e deportado para Cabo Verde em 06/06/1931 (vapor Pedro Gomes). Abrangido pela amnistia de 05/12/1932, apresentou-se na Polícia em 16/01/1933 e saiu em liberdade. Preso em 03/12/1935, por ser arguido num processo pendente, levado para o Aljube, julgado pelo TME em 07/12/1935 e libertado no mesmo dia (Processo 35/933 do TME; Processo 1680/SPS)].

0392. André do Carmo Correia Raposo [1927]

[André do Carmo Correia Raposo || 03/01/1921 || ca-PT-TT-PVDE-Polícias-Anteriores-1-NT-8902 || "Imagem cedida pelo ANTT"]

[Moura, 1889, empregado no comércio - Lisboa. Preso durante a 1.ª República (Processo 1615/PSE). Preso em 25/08/1927, sendo solto no mesmo dia (v. Processo 3186)].

0393. André Mendonça dos Santos [1933, 1942, 1943]

[André Mendonça dos Santos || 03/08/1942 || ANTT || RGP/14237 || PT-TT-PIDE-E-010-72-14237]

[Lisboa, 21/01/1910, trabalhador / marítimo - Lisboa. Irmão de Manuel dos Santos, "O Manuel da Fonte Santa". Preso pela PSP de Lisboa em 25/01/1933 (v. Processo 608) e libertado em 04/02/1933). Preso em 01/08/1942, enviado para o Aljube, transferido para a Inspecção de Coimbra em 05708/1942, regressou a Lisboa em 28/08/1942 e levado para a 1.ª Esquadra. Transferido para Caxias em 15/09/1942 e libertado em 20/01/1943, por ter sido despronunciado pelo TME. Preso em 18/04/1943, a pedido do TME, levado para o Aljube e transferido para Caxias em 20/04/1943. Julgado pelo TME em 27/10/1943, absolvido e libertado em 02/11/1943].

0394. Angelino Augusto de Oliveira [1932]

[Lisboa, 1912, ajudante de chofer. Preso em 05/10/1932, enviado pelo Comando da PSP de Lisboa (Processo 530); libertado em 07/10/1932].

0395. Ângelo Alves Ribeiro [1932] 

[Paços de Ferreira, 1913, sapateiro - Paços de Ferreira. Preso, no Porto, em Janeiro de 1932, por estar filiado no Socorro Vermelho Internacional. Libertado em 02/04/1932 (Processo 52/Porto; Processo 561/PIP)].

0396. Ângelo Augusto Neves [1933] 

[Carregal do Sal, 1903, maquinista da CP. Preso em 24/04/1933 (Processo 720); libertado em 26/04/1933. Faleceu em 15/02/1954].

0397. Ângelo Augusto Rocha [1931]

[Lisboa, 1906, fundidor de metais - Lisboa. Preso em Agosto de 1931, «por ser comunista, assinando o jornal "O Proletário"». Deportado para Timor em 02/09/1931 (Processo 330). Abrangido pela amnistia de 05/12/1932, desembarcou em 09/06/1933 e apresentou-se em 12/06/1933].

0398. Ângelo da Silva Saleiro [1933]

[Estarreja, 1904, carpinteiro - Lisboa. Preso pela GNR em 11/06/1933 e entregue pela P. I. Criminal em 12/06/1933. Devolvido, em 14/06/1933, à P.I.C. e julgado pelo TME em 21/06/1933 (v. Processo 725)].

0399. Ângelo Mota [1929, 1935]

[Ângelo Mota || ANTT || RGP/656 || PT-TT-PIDE-E-010-4-656]

[Porto, 11/09/1891, chapeleiro - Lisboa. Preso em 08/01/1929, «por estar filiado num grupo revolucionário e assistir a reuniões conspiratórias» (Processo 4209); libertado em 10/01/1929. Preso em 20/03/1935, «por ser comunista» - fazia parte de organizações clandestinas e representava a classe dos chapeleiros na Comissão Organizadora do Sindicato Unitário da Indústria de Vestuário, sendo o seu Secretário (Processos 1098 e 1389). Transferido para o Aljube em 03/04/1935, julgado pelo TME em 20/07/1935 (Processo 48/935 do TME) e enviado, em 27-28/07/1935, para Peniche. Em ofício confidencial do Comando Militar Especial de Peniche, datado de Janeiro de 1936, foi proposto a sua transferência para outra prisão ou, se possível, para fora do Continente. Libertado em 14/07/1936].

0400. Ângelo Nunes da Silva [1931, 1933]

[Albergaria-a-Velha, 1906, padeiro - Lisboa. Preso em 10/02/1931 e libertado em 18/03/1931 (v. Processo 4713). Preso pela PSP em 01/05/1933 e entregue em 03/05/1933 (v. Processo 675). Libertado em 13/05/1933].

[João Esteves]