[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

terça-feira, 1 de setembro de 2015

[1070.] MARIA HERMÍNIA ALVES DE MIRANDA MACÁRIO

* CONSELHO NACIONAL DAS MULHERES PORTUGUESAS || FIGUEIRA DA FOZ *

- MARIA HERMÍNIA MIRANDA MACÁRIO -

Apesar de alguns estudos fundamentais, como os de Vanda Gorjão, Manuela Tavares, Lúcia Serralheiro, Célia Costa e Cecília Honório, muitos dos nomes que participaram no associativismo feminino nas primeiras três décadas do século XX e, posteriormente, nas agremiações conotadas com a Oposição à Ditadura de 48 anos continuam esquecidos e não tem sido fácil reconstruir os seus percursos, actividades, militâncias e sociabilidades.

Porque não integravam o grupo de dirigentes ou eram mais discretas, não sentiram necessidade de valorizar a sua intervenção, remeteram-se, ou foram remetidas, ao silêncio, continuando na penumbra.

Maria Hermínia Alves de Miranda Macário, casada com o juiz Manuel Ribeiro Macário e mãe de Maria Manuela Miranda Macário, dirigente do MUD Juvenil e presa em 7 de Março de 1955, é um desses nomes. 

De tal modo discreta que a filha, em conversa com Cecília Honório, sugere que, ao contrário do pai que tanto a marcou, a mãe era uma figura apagada [Mulheres contra a Ditadura, Bertrand Editora, 2014, p. 176]. E no entanto, Maria Hermínia Miranda Macário integrou, em 1946, o grupo das catorze subscritoras que, através de abaixo-assinado dirigido à Presidente do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, Maria Lamas, solicitou a criação duma delegação na Figueira da Foz, “tendo em vista levar a efeito várias realizações de alcance cultural e social, no sentido de elevar a mulher a um grau de maior dignificação e de prestar à criança a assistência de que carece” [Abaixo-assinado dirigido à Presidente do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, documentação gentilmente cedida por D. Natividade Correia].

Quão importante e urgente se torna recuperar cada um destes nomes que, mesmo que pontualmente, fizeram-se ouvir, tomaram posição e assumiram riscos. 

[João Esteves]

Sem comentários: