[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

domingo, 10 de janeiro de 2021

[2971.] MANUEL GREGÓRIO PESTANA JÚNIOR [I] || AIRES B. HENRIQUES - CATARINA PESTANA HENRIQUES (2010)

 * PESTANA JÚNIOR, «PROFETA» REPUBLICANO *

Aires B. Henriques / Catarina Pestana Henriques

Edição "Villa Isaura", Pedrógão Grande || 2010

[Aires B. Henriques e Catarina Pestana Henriques || Pestana Júnior, «Profeta» Republicano || Edição "Villa Isaura", Pedrógão Grande || 2010]

Um livro de 2010 que vai muito além da biografia, detalhada e fundamentada, de Manuel Gregório Pestana Júnior (16/08/1886-19/08/1969) e que retrata seis décadas do Portugal Contemporâneo, desde o agonizar da Monarquia e construção da República, passando pelo triunfo golpista da Ditadura Militar e culminando na concentração do poder em Salazar, com o apadrinhamento, cumplicidade e responsabilidade da hierarquia militar, protagonizada pelos generais Carmona e Craveiro Lopes, ambos ditatoriais Presidentes da República.

Subjacente, está sempre o desvendar da intervenção cívica e política do cidadão democrata e republicano Pestana Júnior, enquanto estudante em Coimbra; deputado, primeiro pela Madeira (1913-1917) e, depois, por Lisboa (1919-1926); ministro (1924-1925); e oposicionista, desde os seus primórdios, à Ditadura Militar, Ditadura Nacional e ao autointitulado Estado Novo (1926-1969), detido logo em Junho de 1926 e, novamente, em Outubro, sendo neste mesmo ano deportado.

Da autoria de Aires B. Henriques, a quem muito se agradece a pronta disponibilização do livro, e de Catarina Pestana Henriques, sua filha e bisneta do “«Profeta» Republicano", contém vasta informação e documentação inéditas que abarcam o período que medeia entre a Greve Académica de 1907, tendo Pestana Júnior sido um dos seus "intransigentes", até 1958, ano da campanha do "General Sem Medo". 

Não menos relevante, é o conjunto de dezenas de fotografias que ilustra, exemplarmente, os primórdios dos combates contra a ditadura emergente, com prisões, exílios, deportações, fazendo como que uma revisitação aos seus cárceres e suas vítimas: da fragata “D. Fernando II e Glória” e Aljube de Lisboa aos destinos da deportação, centrados nas ilhas atlânticas da Madeira, Açores e Cabo Verde, com destaque para as filas de presos a entrarem no Forte de S. Miguel - Açores, talvez em 1931, e os deportados políticos no Campo de Concentração do Tarrafal de S. Nicolau (1931), a anteceder o outro Tarrafal, o de Santiago, inaugurado em 1936.

Exemplo da construção biográfica de uma vida de 83 anos, iniciada na Vila Baleira, em Porto Santo, é de realçar, ainda, a importância de "Villa Isaura", em Pedrogão Grande, enquanto depositária e guardiã de colecções únicas envolvendo a 1.ª República, a Maçonaria e a oposição a 48 anos de Ditaduras.


[João Esteves]

Sem comentários: