[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

[1147.] FEMINISMO [III] || 1906

* FEMINISMO || 1906 *

É na imprensa que, a partir de 1906, se encontra com regularidade um vasto manancial de reflexões sobre o feminismo, nomeadamente sobre o que se reivindicava para as mulheres portuguesas, pronunciando-se, entre outras, Albertina Paraíso, Ana de Castro Osório, Lucinda Tavares, Maria Veleda e Virgínia Quaresma. 

Os textos dedicados ao feminismo pelo “Jornal da Mulher”, secção do periódico O Mundo iniciada em 25 de Junho de 1906 e da responsabilidade de Albertina Paraíso, são imprescindíveis para compreender o que se passava nesse campo nos últimos anos da Monarquia. 

Os vocábulos feminista e feminismo surgiram com frequência na imprensa republicana dos anos de 1906, 1907 e 1908, quer em artigos assinados por mulheres, quer em textos e secções da responsabilidade dos redactores. 

A temática feminista passou a fazer parte do conteúdo de diários como O Mundo e Vanguarda e são mais as apreciações positivas do que os comentários depreciativos. 

Por exemplo, a Vanguarda, diário republicano independente, inclui, em 1906, a secção “Galeria feminista”, criada depois da apresentação pública da Secção Feminista da Liga Portuguesa da Paz e dedicada a mulheres que se destacavam pelo empenhamento a favor dos seus direitos. O texto, por vezes desenvolvido, era acompanhado da fotografia da homenageada, recaindo as escolhas em Carmen de Burgos y Seguí (24/5/1906), Lisa Lualdi, portuguesa a viver em Nápoles (6/6/1906), Belén Sarraga de Ferrero (7/6/1906), Avril de Sainte-Croix (27/6/1906).

A generalização do vocábulo feminismo não pode ser dissociado do que se entendia por ele, considerado genericamente como a luta justa pelos direitos da mulher. Existia a consciencialização de que a sua condição tinha de mudar e, durante algum tempo, ela envolve tanto a elite feminina, como líderes do republicanismo, com o trunfo, não desprezável, de que a sua imprensa não hostilizava essa aspiração.

Sem comentários: