[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

quarta-feira, 25 de abril de 2018

[1795.] VÍTOR RAMOS [I]

* VÍTOR RAMOS || CONFERÊNCIA PRONUNCIADA EM 25 DE SETEMBRO DE 1968 || BREVE ANÁLISE DA REPRESSÃO À VIDA INTELECTUAL EM PORTUGAL *

[Vítor Ramos || Fotografia de Antifascistas da Resistência]

Vítor Ramos (25/04/1920 - 03/05/1974), exilado político desde 1952 e fundador, em São Paulo, do jornal Portugal Democrático, faleceu de emoção ao saber da Revolução do 25 de Abril e quando se preparava para regressar imediatamente a Portugal. 

Antifascistas da Resistência inseriu a sua biografia da autoria de Júlia Coutinho e a Revista do Expresso, de 21 de Abril de 2018, dedicou-lhe um texto da autoria de Catarina Gomes, também baseado em informações cedidas por aquela investigadora.

Na sequência do 25 de Abril de 1974, foi editado em Junho o livro 48 Anos de Fascismo em Portugal, recolha de documentos referentes à Oposição Antifascista em Portugal e no Estrangeiro e à luta Anticolonial. Com recolha de Carme D. Carvalhas [?], provavelmente o livro corresponde a uma edição já preparada e o primeiro texto/documento é da autoria de Vítor Ramos, correspondendo a uma conferência proferida em 25 de Setembro de 1968, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, intitulada "Breve Análise da Repressão À Vida Intelectual em Portugal"



ADENDA, MUITO IMPORTANTE, DE JÚLIA COUTINHO, A QUEM AGRADEÇO ESTE IMPORTANTE ESCLARECIMENTO:

"Este livro é uma edição portuguesa, já depois de Abril, que reproduz [quase] integralmente o número 10 da revista brasileira PAZ e TERRA saído em Dezembro de 1969, inteiramente dedicado à denúncia do que se vivia em Portugal e da responsabilidade dos dirigentes do Portugal Democrático.

Tenho o original, raríssimo.

Na altura Barradas de Carvalho e Margarida ainda estavam no Brasil mas em breve iriam de novo para a Sorbonne, Paris, tal como Vítor Ramos iria dar aulas durante dois anos na universidade em Davis, Estados Unidos. Maria Antónia Fiadeiro também deixaria São Paulo e o Portugal Democrático para regressar ao exílio europeu. 

Todos fugiam à ditadura brasileira que se implantara em 1964. Apenas Vítor Ramos regressou por ter família brasileira e filhos adolescentes.

Dos autores dos artigos, apenas Augusto Aragão faleceu pouco antes do 25 de Abril, o que foi tremendamente injusto.

Vítor Ramos faleceu a 3 de Maio 74, sem regressar, mas viveu a alegria da boa notícia.

Miguel Urbano Rodrigues chegou a Portugal em Maio de 74 e foi o de maior longevidade, falecendo recentemente. 

O grande amigo de VR do tempo da Faculdade de Letras e da militância política dos anos quarenta e cinquenta, Joaquim Barradas de Carvalho, o único que poderia ter feito alguma coisa pela sua memória, morreria prematuramente em 1980.

Outros amigos: Jorge de Sena e Casais Monteiro. O primeiro faleceu em 79 e o Casais não chegaria a Abril de 74" [Júlia Coutinho, 26 de Abril de 2018].




















Sem comentários: