[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

domingo, 12 de janeiro de 2014

[0468.] CECÍLIA SIMÕES AREOSA FEIO [I]


* CECÍLIA SIMÕES AREOSA FEIO *
[05/12/1921-08/02/1980]

[Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas / Associação Feminina Portuguesa para a Paz / Movimento de Unidade Democrática / Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos]


[pp. 185-190]

Nasceu a 5 de Dezembro de 1921 e faleceu a 8 de Fevereiro de 1980, com apenas 58 anos.   

Talvez pela sua discrição ou por ter falecido há já bastantes anos, o papel interveniente de Cecília Simões Areosa Feio continua esquecido ou silenciado na luta contra a Ditadura, no apoio aos Presos Políticos e seus familiares e na defesa dos direitos das mulheres.

Fez parte do grupo de jovens mulheres que aderiram ao Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas quando este passou a ser liderado por Maria Lamas.

Destacou-se como uma das mais assíduas intervenientes nas reuniões realizadas entre Novembro de 1945 e Junho de 1947, sendo então conhecida apenas por Cecília Simões. 

Eleita 2.ª Secretária da Direção (1945), integrou também a Comissão de Propaganda (1945 e 1946). 

Militou na Associação Feminina Portuguesa para a Paz, constando nos processos da PIDE o respetivo boletim de inscrição [Vanda Gorjão, Mulheres em tempos sombrios]. 

Assinou as listas, em 1945, para a constituição do Movimento de Unidade Democrática (MUD). 

Trabalhou até 1949, segundo Maria Alda Barbosa Nogueira, com esta e Maria das Dores Cabrita no sector de Mobilização e Organização das Mulheres Comunistas.  

Presa na vaga de prisões de 17 de Dezembro de 1949, ficou na mesma cela do Forte de Caxias com Georgette Ferreira, Maria Lamas e Virgínia Moura, sendo libertada sob caução. 

Participou, com Maria da Piedade Morgadinho, Maria José Ribeiro, Maria Luísa Costa Dias e Sofia Ferreira, no Congresso Mundial de Mulheres realizado em Helsínquia, em 1969. 

Entre 1969 e Abril de 1974, tornou-se um dos nomes mais ativos da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP). 

Teve, ainda, “uma atuação decisiva no acompanhamento aos filhos dos presos, organizando colónias de férias no norte do país para crianças e adolescentes de famílias afetadas pela repressão política” [Vanda Gorjão]. 

Foi entrevistada, em 1974, por Gina de Freitas e o depoimento encerra o livro A Força Ignorada das Companheiras, esclarecendo que desde meados da década de 40 que se preocupava com o auxílio aos presos e que colaborara no auxílio aos detidos no Tarrafal.

Em 1947, “quando grande número de jovens do MUD Juvenil estiveram presos, nas Faculdades organizávamos brigadas que iam a Caxias levar lanches e outros géneros de auxílio” [A Força Ignorada das Companheiras, pp. 186-187]. 

A 26 de Abril de 1974, juntamente com Maria Eugénia Varela Gomes e Rogério Paulo, discutiu com a Junta de Salvação Nacional, em nome da CNSPP, a situação dos presos políticos.

Viveu intensamente o período subsequente à revolução de 25 de abril de 1974, mantendo a militância política de sempre. 

Membro da União dos Resistentes Antifascistas Portugueses.

Feminae - Dicionário Contemporâneo, editado em 2013 pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, incluiu dados biográficos de Cecília Simões Areosa Feio.
  
[João Esteves]

Sem comentários: