[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

domingo, 17 de junho de 2018

[1835.] ANTÓNIO MARQUES MONTEIRO [I]

* ANTÓNIO MARQUES MONTEIRO || MILITANTE COMUNISTA (1926 - 1933) || DO COMITÉ LOCAL DE BEJA AO COMITÉ REGIONAL DO OESTE || PENICHE (1934 - 1936) *

António Marques Monteiro manteve, entre 1926 e 1934, quando foi preso pela última vez, relevante militância no Partido Comunista, nomeadamente em Beja e Caldas da Rainha, com destaque na Organização Regional do Oeste.

Os dados biográficos que se seguem baseiam-se no seu Cadastro Político elaborado, primeiro, pela Polícia de Defesa Política e Social e, depois, pela Secção Política e Social da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado [ANTT, Cadastro Político 4701].

[António Marques Monteiro || ANTT || RGP/178] 

Encadernador, filho de Ermelinda de Jesus Marques e de Manuel Monteiro Marques, António Marques Monteiro terá nascido em 1900, em Lisboa.

Terá aderido ao Partido Comunista em 1926, embora, segundo o seu Cadastro Político, "mais tarde fosse suspenso temporariamente".

Em 1929, foi trabalhar para Beja e aí retomou a actividade política. Integrou o Comité Local do Partido Comunista e, em 1929-30, colaborou com Bento Gonçalves na conferência plenária da organização local que teve lugar na Casa dos Trabalhadores.

Também teve papel de relevo na organização de uma Conferência Camponesa, que teve a adesão de muitos dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais do Baixo Alentejo, filiados na União Nacional dos Trabalhadores Rurais, e contou com a participação de Daniel Neto Batalha enquanto Delegado da Comissão Inter-Sindical (CIS).

Ainda em Beja, António Marques Monteiro participou nos trabalhos de uma conferência plenária do Partido, "com o fim de ser desdobrado o aparelho local".

Acabou por ser preso naquela cidade em 16 de Abril de 1932, acusado de estar envolvido numa greve e comício de operários contra a carestia de vida e o desconto de 2% sobre os seus salários, decretado pelo Governo, tendo sido entregue, em 27 de Abril, pelo Comando local da PSP à Polícia de Defesa Política e Social [Processo 358].

Por parecer do Director-Geral de Segurança e anuência do Ministro do Interior, saiu em liberdade em 20 de Junho do mesmo ano.

No mês seguinte, participou em Lisboa, com Manuel Francisco Roque Júnior [RGP/13641] e Rodrigo Ollero das Neves [RGP/289], na reunião de Delegados de 17 Sindicatos aderentes ou simpatizantes da Comissão Inter-Sindical (CIS), de orientação comunista, que teve lugar no Sindicato do Pessoal dos Tabacos, na Rua do Mirante, com a finalidade de estabelecer as Bases de negociação com a Câmara Sindical do Trabalho, afecta à CGT, visando a criação de uma Frente Única de Luta [Processo 568].

[António Marques Monteiro || ANTT || RGP/178]

Devido a investigações posteriores à sua libertação, concluiu-se que António Marques Monteiro seria o principal elemento do Partido Comunista na região de Beja, tendo o seu processo sido enviado, em Fevereiro de 1933, ao Tribunal Militar Especial a fim de ser submetido a julgamento.

Em Lisboa, terá recusado integrar o Secretariado Político do Partido Comunista, para o qual tinha sido abordado por Manuel Francisco Roque Júnior, e foi viver para as Caldas da Rainha.

Nas Caldas, António Marques Monteiro retomou a militância comunista por via de Firmiano Cansado Gonçalves, então procurado pela Polícia. Coube-lhe assegurar ligações com as Célula da Marinha Grande e de Torres Vedras através, respectivamente, do vidreiro António Guerra e do relojoeiro Santana, para  além daquelas estabelecidas na terra onde vivia, nomeadamente com o encadernador Abílio de Sousa Marques.

Criado o Comité Regional do Oeste, Firminano Cansado Gonçalves voltou para Lisboa e António Marques Monteiro tornou-se seu Secretário, Abílio de Sousa Marques ficou responsável pelas Juventudes Comunistas e Rafael Fernandes tratava da Imprensa.

Em 25 de Agosto de 1933, foi preso nas Caldas da Rainha, onde residia na Rua 15 de Maio - 43. 

Por documentos apreendidos a Alfredo Caldeira e a Bento Gonçalves, ambos procurados pela Polícia, sobressaiu a importância de António Marques Monteiro enquanto organizador da Célula Nº 1 das Caldas da Rainha e o papel que teve na ligação do Comité Regional do Oeste às Células do Bombarral, de Torres Vedras e da Marinha Grande, "ficando assim montado o Aparelho do Centro do País, o qual tinha ligação para Lisboa com a Comissão Central de Organização do Partido, por intermédio de Rafael Fernandes".

Através dos contactos partidários, António Marques Monteiro solicitou o envio de selos e verbetes do Partido Comunista, das Juventudes Comunistas e do Socorro Vermelho Internacional, para além de um copiógrafo a fim de ser utilizado pelo Comité Regional do Oeste [Proceeso 785].

No âmbito do Processo 568, foi julgado pelo Tribunal Militar Especial em 16 de Dezembro de 1933 e abrangido pela amnistia de 5 de Dezembro de 1932 [Processo 11/933, do TME].

[António Marques Monteiro || ANTT || RGP/178]

Quanto às actividades desenvolvidas no Oeste, o julgamento no TME ocorreu em 30 de Maio de 1934, tendo sido condenado à multa de catorze mil e quatrocentos  escudos, a qual não sendo paga no prazo legal é convertido em prisão correccional, e perda de direitos políticos por cinco anos [Processo 81/934, do TME].

Entrou na Fortaleza Militar de Peniche em 19 de Junho de 1934, tendo, em 9 de Janeiro de 1936, o Comandante Militar Especial de Peniche proposto que "seja transferido daquela Fortaleza e, até, se possível for, para fora do Continente (Ofício confidencial Nº 10, do Comando Militar Especial de Peniche)".

Libertado em 19 de Junho de 1936, por ter terminado a pena imposta pelo TME.

O nome consta do Memorial de Homenagem aos Ex-Presos Políticos, inaugurado na Fortaleza de Peniche em 9 de Setembro de 2017.

Fontes:
ANTT, Cadastro Político 4701 [António Marques Monteiro / PT-TT-PIDE-E-001-CX06_m0775, m0775a, m0775b, m0775c, m0775d, m0775 e].
ANTT, Registo Geral de Presos / 178 [António Marques Monteiro / PT-TT-PIDE-E-10-1-178_c0387].
ANTT, Fotografia 2783 [António Marques Monteiro / ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-4-NT-8904_m0028].

[João Esteves]

Sem comentários: