[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

[1699.] JÚLIO DE SOUSA MARQUES [I]

* JÚLIO DE SOUSA MARQUES *

Passados 84 anos sobre a Greve Geral de 18 de Janeiro de 1934, motivada pela ofensiva encetada pela Ditadura do Estado Novo contra os sindicatos livres, evoca-se Júlio de Sousa Marques, um dos participantes nos acontecimentos revolucionários da Marinha Grande e que foi, primeiro, deportado para a Fortaleza de São João Baptista, em Angra do Heroísmo, e depois enviado para o Tarrafal.

[ANTT || RGP 118]

Filho de Guilhermina de Jesus Marques e de Gervásio Marques, Júlio de Sousa Marques nasceu na Marinha Grande em 1 de Março de 1905.

Operário vidreiro, registado na Polícia de Vigilância e Defesa do Estado como "O filho do mestre Gervásio" [ANTT, ca-PT-TT-PVDE-Policias-Anteriores-4-NT-8904_m0019 / Fotografia 2633], Júlio de Sousa Marques interveio nos preparativos da greve, em ligação com José Gregório e Miguel Barbeiro, tendo participado no assalto ao posto local da GNR.

Preso e entregue à PVDE em 5 de Fevereiro de 1934, foi julgado pelo Tribunal Militar Especial reunido na Trafaria em 24 do mesmo mês e condenado a 5 anos de degredo e perda dos direitos políticos por 10 anos.

Interpôs recurso e, como o mesmo tribunal confirmasse a sentença, embarcou para Angra do Heroísmo em 8 de Setembro.

Dois anos depois, em 23 de Outubro de 1936, integrou a primeira leva de presos políticos enviada para o Tarrafal, onde desembarcou em 29 do mesmo mês.

Regressou do Tarrafal em 15 de Julho de 1940 e libertado após 6 anos e meio de prisão, foi viver para Engenho, freguesia da Marinha Grande.

[ANTT || RGP 118]

Detido, novamente, em 1 de Outubro de 1941, foi libertado em 3 de Novembro.
  
[ANTT || RGP 118]

Faleceu em 1967, aos 61 anos de idade.

[João Esteves]

2 comentários:

Marília Marques disse...

Muito obrigada por ter escrito a biografia do meu tio Julio. Nem tenho palavras. Queria postar este trabalho no meu facebook e nos meus ficheiros pessoais para fazer cópias para a minha família. Chamavam-lhe filho do Mestre Gervásio pois seu pai, meu bisavô era o responsá vel, dependendo do engenheiro chefe, pelo Pinhal do Rei. Muito obrigada.

João Esteves disse...

Estimada Marília Marques, pode utilizar toda a informação que considerar relevante, pois o importante é preservar a memória daqueles que nunca devem ser esquecidos.
João Esteves