[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

domingo, 7 de março de 2021

[2528.] PALMIRA ARAÚJO DE PÁDUA [I] || CRUZADA DAS MULHERES PORTUGUESAS

 * PALMIRA ARAÚJO DE PÁDUA *

[Palmira Araújo de Pádua || Ilustração Portuguesa || 04/08/1919]

Natural de Lisboa, onde nasceu em 1879, Palmira Araújo de Pádua era filha dos viscondes de Odivelas e foi, em 1916, uma das fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas.

Desempenhou as funções de Secretária-Geral e, devido ao trabalho desenvolvido durante a 1.ª Guerra Mundial, foi agraciada, em 1919, com o grau de Grande Oficial da Ordem de Cristo.

[João Esteves]

sábado, 6 de março de 2021

[2527.] NO CENTENÁRIO DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS [I] || 1921 - 2021

 * NO CENTENÁRIO DO PARTIDO COMUNISTA PORUGUÊS *

[06/03/1921 - 06/03/2021]

Em 100 anos, 48 foram vividos sob Fascismo. Foram 48 anos de luta e de resistência clandestina. 

Os seus militantes foram perseguidos e sofreram a prisão, a deportação, o exílio, a tortura e a morte. 

Uns, foram assassinados quando se manifestavam ou participavam em movimentos grevistas; outros, quando submetidos a torturas e interrogatórios, ou por falta de assistência médica, na António Maria Cardoso, no Aljube de Lisboa e do Porto, em Angra do Heroísmo, em Caxias, em Peniche, no Tarrafal e em esquadras; alguns, abatidos a tiro, quando se deslocavam em atividades clandestinas ou exerciam a sua profissão; muitos, foram libertados debilitados de forma a não morrerem no cativeiro.

Gente simples, das mais diversas profissões, que vivia de modestos empregos e salários. 

Não se aquietaram. Lutaram, resistiram, perderam a vida. Deixaram famílias.

Merecem ser nomeados. Todos! 

Têm rosto e Partido.

1.2.

3.4.

5.6.

7.8. 

9.10.

11.12.

13.14.

15.16.

17.   18.

19.20.

21.22.

23.24. 

25.26.

27.28.

29.30.

31.32.

33.34.

35.36.

37.38.

39.40.

41.42.  

43.44.

45.46.

47.48.  

49.50.

51.52.

53.54.

55.56.

57.58.

59.


1. Agostinho da Silva Fineza. Tipógrafo. Assassinado no 1.º de Maio de 1963.

2. Albino António Oliveira Carvalho. Faleceu no Tarrafal em 22/10/1941.

3. Alfredo Caldeira. Pintor decorador. Faleceu no Tarrafal em 01/12/1938.

4. Alfredo da Assunção Dinis [Alex]. Operário desenhador. Assassinado na Estrada de Bucelas em 04/07/1945.

5. Alfredo Dias Lima. Operário agrícola. Assassinado em 04/06/1950, durante uma greve por aumentos de salários.

6. Antenor da Costa Cruz. Comerciante. Faleceu no Hospital da Misericórdia do Funchal em 27/05/1948, vítima das torturas a que fora submetido.

7. António Bandeira Cabrita. Estudante. Faleceu na Guerra Civil de Espanha, depois de ter passado pela prisão e deportação em Portugal.

8. António Carlos Ferreira Soares. Médico. Assassinado à queima-roupa por uma brigada da PVDE no seu consultório, em Nogueira da Regedoura, em 4 de Julho de 1942, com 39 anos de idade.

9. António de Assunção Tavares. Empregado na fábrica Cimentos Tejo. Faleceu em 01/02/1951, depois de sair da prisão já muito debilitado.

10. António de Jesus Branco. Descarregador no Porto de Lisboa. Faleceu no Tarrafal em 28/12/1942.

11. António Graciano Adângio. Mineiro. Assassinado pela GNR em 28/04/1962.

12. António Guedes de Oliveira e Silva. Motorista. Faleceu no Campo de Concentração do Tarrafal em 03/11/1941.

13. António Guerra. Empregado de escritório. Faleceu no Tarrafal em 28/12/1948.

14. António Lopes de Almeida. Vidreiro. Faleceu no Aljube em 21/01/1949, vítima das torturas a que fora submetido.

15. António Mano Fernandes. Estudante. Faleceu nos Hospitais da Universidade de Coimbra em 30/01/1938.

16. António Militão Bessa Ribeiro. Faleceu em 02/01/1950, na Penitenciária de lisboa, por falta de assistência médica.

17. Augusto Costa. Vidreiro. Faleceu no Tarrafal em 22/09/1937, sem assistência médica e medicamentosa.

18. Aurélio Dias. Marítimo. Faleceu na Cadeia Penitenciária de Lisboa em 30/10/1934, após prolongadas torturas.

19. Bento António Gonçalves. Torneiro mecânico. Faleceu em 11/06/1942, aos 40 anos, no Campo de Concentração do Tarrafal sem a devida assistência médica.

20. Cândido Alves Barja. 1.º artilheiro da Marinha. Faleceu no Campo de Concentração do Tarrafal em 26/09/1937, com 27 anos.

21. Cândido Martins dos Santos Capilé. Operário. Assassinado em Almada em 11/11/1962, durante uma manifestação.

22. Carlos Alberto Rodrigues Pato. Empregado bancário. Espancado e sujeito à tortura da estátua durante mais de 130 horas, sem nunca ter sido julgado, faleceu, em grande sofrimento, em 26/06/1950, apesar dos sucessivos pedidos de ajuda pelos restantes 14 companheiros. Tinha 29 anos.

23. Casimiro Júlio Ferreira. Funileiro. Faleceu no Campo de Concentração do Tarrafal em 23/09/1941, com 32 anos.

24. Catarina Efigénia Sabino Eufémia. Trabalhadora agrícola. assassinada pela GNR em 19/05/1954.

25. Damásio Martins Pereira. Servente. Faleceu no Tarrafal em 11/11/1942, aos 37 anos de idade.

26. Ernesto José Ribeiro. Servente de pedreiro. Faleceu no Campo de Concentração do Tarrafal em 08/12/1941, com 30 anos.

27. Estêvão Giro. Operário. Assassinado no 1.º de Maio de 1962.

28. Fernando Alcobia. Vendedor de jornais. Faleceu no Tarrafal em 19/12/1939, com 24 anos.

29. Francisco Cruz. Vidreiro. Faleceu no Hospital Militar de Angra do Heroísmo em 30/07/1936, com 26 anos de idade.

30. Francisco do Nascimento Esteves. Torneiro mecânico. Faleceu no Tarrafal, vítima do paludismo e das condições prisionais, no dia 21/01/1938.

31. Francisco do Nascimento Gomes. Condutor de carros eléctricos no Porto. Faleceu no Tarrafal em 15/11/1943, com 34 anos de idade.

32. Francisco Ferreira Marquês. Empregado de escritório. Faleceu em Caxias em 13/05/1944, vítima de torturas.

33. Francisco José Pereira. 1.º artilheiro da Marinha. Faleceu no Tarrafal em 20/09/1937.

34. Germano Vidigal. Operário da construção covil. Assassinado pela PIDE em 28/05/1945.

35. Henrique Vale Domingos Fernandes. Grumete de manobras. Faleceu no Tarrafal em 07/01/1941, com 28 anos.

36. Hermínio de Oliveira Simões. Serralheiro. Faleceu em 21/04/1953, no Hospital de S. José, para onde foi levado vítima da violência policial. Tinha 39 anos de idade.

37. Jacinto de Melo Faria Vilaça. Aluno de manobras do "Bartolomeu Dias", faleceu no Tarrafal em 03/01/1941.

38. Jaime da Fonseca e Sousa. Funcionário da Casa da Moeda. Faleceu no Tarrafal em 07/07/1940.

39. João Lopes Dinis. Canteiro. Faleceu no Campo de Concentração do Tarrafal em 12/12/1936, com 32 anos de idade.

40. Joaquim Lemos de Oliveira. Barbeiro. Faleceu, em 14 ou 15 de Fevereiro de 1957, numa das celas da Subdirectoria da PIDE no Porto.

41. Joaquim Lopes Martins. Padeiro. Faleceu no Hospital Curry Cabral em 02/07/1933, vítima das torturas sofridas quando preso pela Polícia de Defesa Política e Social.

42. Joaquim Marreiros. Grumete de manobras, faleceu no Tarrafal em 03/11/1948, com 38 anos.

43. Jorge da Silva Pinheiro. Faleceu em 1924.

44. José Adelino dos Santos. Trabalhador rural. Assassinado em Montemor-o-Novo, durante uma manifestação, em 24/06/1958.

45. José Dias Coelho. Pintor. Assassinado na Rua da Creche, em Alcântara, em 19/12/1961.

46. José dos Santos Rocha. Estudante. Faleceu em 1938.

47. José Duarte. Sapateiro. Faleceu em 11/03/1938, no Hospital Militar de Angra do Heroísmo.

48. José Moreira. Responsável pelas tipografias clandestinas, foi preso em 22 de Janeiro de 1950, barbaramente torturado e assassinado pela PIDE em 23 ou 24 desse mesmo mês. Tinha 37 anos.

49. Luís António Firmino. Serrador. Faleceu no Hospital Prisão de Caxias em 23/01/1968, com 51 anos de idade, vítima dos maus tratos policiais.

50. Manuel Mário Ramos. Faleceu em 1923.

51. Manuel Simão Júnior. Servente de pedreiro. Faleceu em 1946.

52. Manuel Tavares. Faleceu em 1925.

53. Manuel Vieira Tomé. Empregado de escritório dos Caminhos de Ferro Portugueses. Preso em 16/04/1934, faleceu poucos dias depois, talvez em 23 do mesmo mês, na sequência das torturas a que foi sujeito. Há referências ao uso de choques eléctricos, a terem-lhe sido arrancadas as unhas das mãos e a uma greve de fome.

54. Paulo José Dias. Fogueiro marítimo. Faleceu no Tarrafal em 13/01/1943, com 39 anos.

55. Rafael Tobias Pinto da Silva. Relojoeiro. Faleceu no Campo de Concentração do Tarrafal em 22/09/1937, com 26 anos de idade.

56. Raul Alves. Soldador. Assassinado na sede da PIDE, na Rua António Maria Cardoso, em 31/07/1958.

57. Rui Ricardo da Silva. Carpinteiro. Levado do Aljube para o Hospital de S. José, onde faleceu em 10/02/1938, com 21 anos, devido aos maus tratos sofridos.

58. Venceslau Ferreira Ramos. Operário modelador. morre, Faleceu, vítima de tortura, nas instalações da polícia política no Porto, na Rua do Heroísmo, em 22/05/1950. Tinha 34 anos de idade.

59. Vítor Agostinho Pedroso Leitão. Sapateiro. Faleceu em 1966.

"Caídos na Luta

[1921/2021 - 100 Anos de Luta || Edições Avante! || 2021]

[João Esteves]